ESPAÇO CRESCIMENTO PESSOAL


Crenças Limitantes

Já alguma vez pensou que “Isso não é para mim!”. Ou algo como, “Eu nunca conseguirei ter sucesso!” ?

Pois eu já. E vou-lhes contar um pequeno segredo.

Quando eu frequentava o secundário, sempre pensei que frequentar a universidade “não era para mim”. E acreditei nisso durante muitos anos, apesar do bom desempenho académico que conseguia em todos os níveis de ensino. Até que, aos 33 anos de idade, percebi que essa crença não fazia sentido, candidatei-me, entrei na universidade e, passados quatro anos, conclui a minha licenciatura.

Eu não sei, concretamente, porque acreditava naquilo. Mas foi um conjunto de vivências, de experiências de vida, que foi cristalizando no meu subconsciente essa crença. Quando eu a identifiquei e percebi que ela me estava a prejudicar, decidi retirar-lhe o poder que exercia sobre mim e executar as acções que produzissem os resultados que eu desejava, quebrando dessa forma essa crença limitante.

Contei este exemplo pessoal apenas para ilustrar o poder de uma crença limitante, e como depende de cada um de nós continuar a deixar-se influenciar por ela, ou fazer aquilo que realmente desejamos.

O nosso cérebro “grava”, em pequenos registos, tudo o que nos vai acontecendo, todas as experiências, para que, perante uma situação, possamos reagir de forma automática, sem termos de pensar conscientemente em tudo o que fazemos. Muitas acções do dia-a-dia são executadas recorrendo a esses registos, o que nos facilita a vida. Mas o cérebro não analisa se o que regista é bom ou mau, se é prejudicial ou benéfico. Apenas regista para não desperdiçar energia, da próxima vez que se encontrar perante uma situação igual ou semelhante.

É o conjunto das nossas acções e decisões diárias que vai criando a vida que levamos. E as nossas acções e decisões são tomadas em função daquilo em que acreditamos, daquilo que está gravado no nosso subconsciente… Das nossas crenças.

Quando a nossa reacção instintiva acaba por nos prejudicar e guiar a nossa vida para onde nós não desejamos, quer dizer que a crença que lhe dá origem é limitante, não nos favorece.

Se, em alguma área, não somos aquilo que gostaríamos de ser, devemos procurar perceber em que é que acreditamos em relação a essa área e, se a crença não nos for favorável, alterá-la. Embora esteja muito difundida a ideia de que não há nada a fazer, porque “eu sou assim… eu nasci assim…” a ciência tem hoje ferramentas para alterar isso e muito mais. A PNL Programação Neurolinguística, por exemplo, tem várias técnicas eficazes.

Acredite que mudar a sua vida está muito mais nas suas mãos do que aquilo que parece. Pode e deve procurar ajuda, mas depende de si.

E você, reconhece alguma crença que o esteja a impedir de alcançar o nível seguinte? Conte-nos nos comentários.

Fernando Cardoso

Comentários(0)

Log in to comment